A Mostra Audiovisual Internacional em ArqueologiaMAIA — reabriu uma nova tela ao vasto universo cultural da humanidade e das diversas narrativas elaboradas sobre as sociedades humanas no tempo. Na quarta edição, realizada nos dias 24, 25 e 26 de junho de 2019 no Centro de Pesquisa e Formação do SESC São Paulo, a MAIA reiterou o diálogo transversal entre ciência e arte, no âmbito da arqueologia, sobremodo em seu potencial simbólico e expressivo, conjugando narrativas audiovisuais aos estudos e projetos significativos apresentados por convidados internacionais e brasileiros.

Ao compreender, no limite, tudo aquilo que desvela a própria existência cultural humana no tempo e no território — existência que constrói e habita paisagens — a arqueologia então se desdobra em múltiplas perspectivas, pelas quais (re)descobrimos e (re)construímos tantas e diversas histórias.

Assim, a cada nova edição, a MAIA reúne obras audiovisuais articuladas a um Ciclo de Conferências com a presença de convidados especiais que apresentam temas relacionados aos conteúdos narrativos exibidos, constituindo-se como evento cultural a promover o debate amplo em questões contemporâneas relativas à memória social e ao patrimônio de culturas humanas a partir do mote da arqueologia, seja ela como ciência, seja ela como metáfora significativa ou mesmo enquanto símbolo presente em documentários, inclusive narrativas híbridas e experimentais.

Os filmes selecionados convidam à reflexão sobre a memória abrigada em símbolos, ritos e paisagens, em lugares e tempos distintos, como as imagens ancestrais preservadas na Caverna Chauvet; o patrimônio histórico urbano de antigas cidades (Atenas, Palmira); a diversa paisagem cultural do Mediterrâneo; a interseção de universos (i)memoriais no Chile; a presença do passado humano na Amazônia; a importância do vídeo como instrumento de registro da cultura indígena.

Tais narrativas em tela se articularam aos conteúdos apresentados pelos nossos convidados, com experiências significativas relacionadas ao patrimônio cultural, não apenas de interesse evidentemente histórico e arqueológico, mas sobretudo pela transversalidade já exposta no título deste Ciclo —  Paisagens da Memória: Arte e Patrimônio — que expandiu as fronteiras daquelas instâncias mais imediatas, ao provocar ressonâncias em questões relevantes da diversidade cultural, dos direitos humanos, das tecnologias de preservação e conservação, da arquitetura, da antropologia e da história da arte.

Silvio Luiz Cordeiro

Idealizador e Curador da MAIA

 


Conferencistas Internacionais

 

Maria da Conceição Lopes

Coordenadora do CEAACP – Centro de Estudos de Arqueologia, Artes e Ciências do Patrimônio da Universidade de Coimbra, Portugal.

 

Dominique Baffier

Integrante da Equipe Científica da Caverna Chauvet e do Laboratório de Etnologia Pré-Histórica ArcScan / CNRS, França

 

Vasiliki Eleftheriou

Diretora do Serviço de Restauração da Acrópole de Atenas, Grécia

 

Conferencistas Brasileiros

 

Caimi Waiassé Xavante

Documentarista e educador indígena na Aldeia Etenhiritipá, Mato Grosso

 

Claide de Paula Moraes

Arqueólogo docente da UFOPA

 

Luis Ludmer

Arquiteto, produtor artístico e documentarista

 

Paulo Tavares

Arquiteto docente da UnB e colaborador da agência de pesquisa Forensic Architecture

 

Silvio Luiz Cordeiro

Arquiteto, arqueólogo e documentarista

 

Mediadoras

 

Angela Pappiani

Escritora e produtora cultural especializada em cultura indígena

 

Patrícia Pontin

Historiadora e arqueóloga

 


MAIA

 

Concepção e Curadoria

Silvio Luiz Cordeiro

 

Coordenação e Produção

Luís Ludmer

Silvio Luiz Cordeiro

 

Assistentes de Produção

Annick Arnoult

Laura Cordeiro Teruya

Patrícia Boreggio do Valle Pontin

 

Arte

Silvio Luiz Cordeiro

 

Apoio

Consulado Geral da República Francesa em São Paulo

Instituto Francês do Brasil

Consulado Geral da República Helênica em São Paulo

 

Realização

Museu Imaginário

SESC